Polícia inicia buscas para apurar ameaças a ministros do STF. Suspeitos são de Alagoas e São Paulo

Agentes da Polícia Federal saíram às ruas nesta quinta-feira, 21, para fazer buscas no inquérito aberto pelo Supremo Tribunal Federal, que apura ameaças e proliferação de fake news contra os ministros da corte. Segundo o canal Globo News, foram identificados suspeitos em Alagoas e São Paulo.

Nesta quarta-feira 20 o ministro Alexandre de Moraes, responsável pelo inquérito no STF, designou a equipe que vai auxiliá-lo nas investigações: o delegado federal Alberto Ferreira Neto, chefe da Delegacia Especializada em Repressão a Crimes Fazendários, e o delegado de polícia Maurício Martins da Silva, da Divisão de Inteligência do Divisão de Inteligência da Polícia Civil de SP.

A abertura do inquérito foi determinada pelo ministro Dias Toffoli, presidente da corte, após o Supremo ter sido alvo de manifestações sobre a decisão que definiu a competência da Justiça Eleitoral para julgar crimes de corrupção conexos a eleitorais, diz o MSN.

No despacho, o ministro especifica o escopo da investigação, e oficializa que o inquérito apura também o vazamento de informações e documentos sigilosos, com o intuito de “atribuir ou insinuar a prática de atos ilícitos” por membros da Suprema Corte, por parte daqueles que tem o dever legal de preservar o sigilo, explica Moraes. O ministro não cita o Fisco na decisão, no entanto, recentemente, a Corte se voltou contra vazamentos de análises da Receita Federal que citavam ministros dos tribunais superiores, como Gilmar Mendes.

21/03/2019