Programa “Anjos da Uncisal” busca inserir alunos estrangeiros na rotina acadêmica

Se adaptar aos hábitos de um novo país não é tarefa fácil. Quando essas mudanças incluem uma rotina universitária, a situação pode ser ainda mais difícil. Para facilitar a inserção de estudantes estrangeiros, a Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (Uncisal) criou o programa “Anjos da Uncisal”.

O projeto é uma iniciativa da Assessoria de Relações Internacionais (Arinter) e tem como objetivo “proporcionar atividades de inserção e interação individual e em grupos, dentro de um processo de ensino e aprendizagem, compartilhando os conhecimentos e as dificuldades existentes na rotina acadêmica”.

A primeira edição do “Anjos da Uncisal” foi lançada no ano passado, quando a instituição recebeu a estudante do curso de Fisioterapia Clarice Nacalté. Natural de Guiné Bissau, na África, Clarisse vem sendo acompanhada por uma colega de curso, que tem como missão facilitar o processo de aprendizagem.

“No início eu senti um pouco de dificuldade, porque a forma de ensinar e o tempo de estudo, que aqui é integral, são diferentes do que eu estava habituada. Mas, com o apoio da universidade, tenho conseguido superar essas barreiras e já não penso mais em buscar outro curso ou instituição”, afirma Clarice Nacalté, que chegou ao Brasil pensando em conhecer mais de uma universidade.

Além de Clarisse Nacalté, a Uncisal conta com mais duas estudantes estrangeiras. Wassila Cassandra Mendes Mané e Karen Daniela Guerra Juárez, de Guiné Bissau e da Guatemala, cursam respectivamente Enfermagem e Medicina.

A assessora de Relações Internacionais da Uncisal, professora Adriana de Medeiros Melo, fala com orgulho sobre o projeto. De acordo com ela, a instituição tem buscado, ao longo dos últimos anos, fortalecer as ações de internacionalização e a criação do programa “Anjos da Uncisal” teve esse propósito.

“A Uncisal aderiu a um programa do Ministério das Relações Exteriores chamado PEC-G [Programa de Estudantes-Convênio de Graduação], que tem como objetivo inserir os estudantes estrangeiros em universidades brasileiras. Com isso, nós passamos a pensar em mecanismos que garantissem a qualidade da aprendizagem e a permanência desses estudantes em nossa universidade”, conclui.

Na última semana, “anjos” e estudantes estrangeiros se reuniram pela primeira vez em 2019. O encontro serviu para que os alunos se conhecessem e iniciassem as atividades deste ano.

Ascom – 08/03/2019