Ressocialização mantém ações periódicas para garantir saúde no sistema prisional

A busca ativa, ação de procurar casos de doenças nos reeducandos, faz parte da rotina de atuação da Gerência de Saúde da Secretaria de Ressocialização e Inclusão Social (Seris). A medida visa identificar patologias nos apenados e proporcionar o devido tratamento, visando o controle e não proliferação das doenças no sistema prisional.

Além de testes rápidos, realizados assim que o reeducando entra no complexo penitenciário para identificação de eventuais doenças pré-existentes, como HIV, sífilis e hepatites, existe a busca por doenças como tuberculose e hanseníase. A gerente de Saúde da Seris, tenente PM Jackeline da Silva, fala sobre a importância do acompanhamento e monitoramento da saúde dos reeducandos.

“Essa é uma forma de prevenção para evitar surtos e pandemias. A busca ativa é uma das diretrizes estabelecidas pelo secretário Marcos Sérgio como regra, visando o controle e melhor oferta de tratamento, caso necessário. Isso é muito importante para ambientes como o sistema prisional, pelo número de pessoas reunidas em um mesmo espaço”, disse a gestora.

Fábia Marques Luz é biomédica do sistema prisional e explica a necessidade das ações. “A equipe de saúde está sempre muito atenta para qualquer eventualidade em relação à saúde dos apenados e todas as semanas são colhidas amostras de todas as unidades prisionais. Normalmente são feitas em relação à tuberculose, por ser uma população carcerária muito grande e que nem todos apresentam sintomas, por isso a questão de busca ativa”, contou.

“Esse trabalho já faz parte da rotina de atuação da Gerência de Saúde e, quando algum caso é detectado, esses pacientes são tratados, para que não ocorra princípio de surto e que comprometa a saúde dele, dos demais apenados e servidores”, finalizou a biomédica.

Ascom – 21/03/2019