f8edd919ee744c27261264e88ba88170

1. O roqueiro Guilherme Santiago (Vladimir Brichta) é um cabeça quente mais preocupado com os desafetos do que com o seu público – só isso explica o porquê de ele largar um show pela metade (incrivelmente diz ter esquecido que estava se apresentando) para ir quebrar a cara do rival, Léo Régis (Rafael Vitti).

2. Apesar de ser um cantor popular, a ponto de encher um show do tamanho de um Rock in Rio, o staff de segurança de Léo Régis é uma grande porcaria – só isso explica o porquê de Guilherme Santiago entrar num estádio, parar o carro, subir no palco, passar por dezenas de pessoas e quebrar a cara de Léo Régis ao vivo e em cores.

3. Segundo o empresário de Santiago, Lázaro Vasconcelos (João Vicente de Castro), o que o músico faz é “rock pauleira”, um termo que já não era usado na década de 1990 havia uns vinte anos; que dirá agora.

4. Júlia Monteiro (Nathalia Dill) é tipo uma inocente mocinha do interior – a ponto de não saber que aqueles cachorros no aeroporto são farejadores de drogas – que rapidamente fica espertona (antes do primeiro capítulo acabar).

5. Léo Régis é tipo alguns músicos conhecidos por aí, muito fúteis, populares e com fã-clubes histéricos, que não citaremos o nome para não sermos incomodados. Mas fiquem à vontade para escolher qual (ou quais) – fill the blanks.

6. A relação entre Guilherme e seu filho, Zac (Nicolas Prattes) é meio manjada: começa como antipatia e, presume-se, vai virar amizade sincera – uma coisa tipo ‘O Paizão’ e ‘Um Grande Garoto’, algo assim.

7. Não teve núcleo cômico, thanks, Lord. Mas não nos iludamos: ele virá inevitavelmente. Assim como a eleição do Trump, temos de lidar com as mazelas da vida.

8. Tem uma vinheta de ‘We Will Rock You’, do Queen, na volta do intervalo comercial. Parabéns aos envolvidos.

9. Não sei se foi por se tratar de um capítulo de abertura, mas o ritmo foi muito bom: sem frescura ou enrolação; quase todo mundo devidamente apresentado e muita ação. Se continuar assim, agradeceremos.

10. A música de abertura é ‘Dê Um Rolê’, cantada pela Pitty – e, não, amigos tuiteiros, ela não é a autora. A autoria é de Moraes Moreira e Galvão, dos Novos Baianos (está na hora de músicos e sites de letras darem a devida autoria de música e letra, né?)

 

Yahoo

10/11/2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *